domingo, 22 de novembro de 2009

Indefinições

Se eu não for o que tu queres,
Deixe-me ao menos ser eu mesma
De cacos colados e cicatrizes
Frases imperfeitas, atitudes exatas: eis-me aqui.

Se eu não sou exatamente o que desejas,
Expressarei meus desejos ao mundo, e
Neste tão grande e caótico mundo,
Há de haver espaço para o desejo de uma mulher.

Se eu sou demais para ti,
É porque nem sempre caibo em mim mesma,
Transbordo e extrapolo, desconhecendo limites claros
Que ainda estou buscando...

Se algum dia te assustei, porque em mim viste algo extremo
Não queiras classificar-me, pois
Não caberei em teus conceitos
Mas te permito olhar-me mais, e mais uma vez ainda.

2 comentários:

  1. muito lindo Querida! ; -)

    ResponderExcluir
  2. Pois é amiga, acho que a lição aqui é aprender a conviver com as indefinições que, queiramos ou não, fazem parte da vida. E seguir confiando, sempre! Fique com Deus e obrigada pelo comentário...

    ResponderExcluir